Ricardo Martins fala sobre o Dakar…

not0003413-01_md

O Rally Dakar 2017 foi um dos mais atípicos e difíceis da história da competição. Não foi a toa o grande número de pilotos apontados como melhores ficando pelo caminho. Na chegada a Buenos Aires, no sábado (14), o britãnico Sam Sunderland foi coroado o campeão das motos com o tempo total de 32h06m22s, seguido de Matthias Walkner (32h38m22s) e Gerard Farres Guell (32h42m02s), os três da KTM. Essa foi a primeira vez que Sunderland e Walkner completaram um Dakar.

Já o piloto catarinense Ricardo Martins encerrou a sua primeira participação no Rally Dakar na décima das 12 etapas da prova, realizada na quinta-feira (12) entre Chilecito e San Juan, na Argentina. Naquele dia ele passou por muitas dificuldades até sofrer desidratação nas dunas. Martins estava em 58º lugar no ranking das motos, além de ocupar a 11ª colocação da categoria G2 (Marathon até 450cc). “A décima etapa foi muito tensa para mim. Fiquei travado em um lugar fora do roteiro e fiz muito esforço para tirar a moto de lá. Consegui seguir na prova, mas depois tive problemas nas dunas. Sofri desidratação e cheguei ao ponto de não conseguir mais levantar. O socorro chegou rápido e logo me recuperei”, relatou. “Obrigado a todos que torceram por mim. O Rally Dakar, sem dúvidas, é uma prova para loucos”, continuou, com bom humor.

Também estreante, Richard Fliter ficou em 59º, sendo o único brasileiro a completar a participação entre as motos

Deixe uma resposta