Jonny Walker: “Tudo pode acontecer”

O britânico Jonny Walker vai chegar à ronda final do World Enduro Super Series, no GetzenRodeo, no sábado, com o ritmo do seu lado, procurando terminar o ano como vice-campeão. Depois da grave lesão sofrida em 2018, o piloto da Red Bull KTM tem trabalhado incansavelmente para recuperar a sua forma e lutar para voltar à disputa do campeonato.

“Estou a começar a deixar para trás as lesões do ano passado e a voltar a entrar num ritmo competitivo. Acredito que não estou de volta onde sei que posso estar, o que acaba por me motivar a continuar a trabalhar arduamente. Este fim-de-semana quero dar o máximo para ficar em 2.º no campeonato.”

Na Red Bull Romaniacs, o britânico chegou a lutar pela vitória e desde então já registou dois resultados no pódio, no Hawkstone Park Cross-Country e no BR2 Enduro Solsona. Agora, determinado a deixar para trás o azar de 2018, Walker não quer mais do que uma merecida “vingança” ao terminar no pódio final do WESS 2019.

“Já corri no GetzenRodeo antes e é uma corrida difícil. Com tanta coisa a acontecer acaba por ser quase uma lotaria. Com o dia dividido em duas corridas, percebi no passado que conduzir de forma inteligente e segura na parte da manhã é a chave. Por isso mesmo, o objetivo para a GetzenRace é começar forte e manter-me longe de problemas. Sei que não preciso de ganhar mas o ideal seria ficar no Top 5.”

Inevitavelmente recordando um início de época complicado, Jonny Walker explica que ganhar confiança tem sido fundamental para voltar à boa forma e alcançar bons resultados. “Estou cada vez melhor e agora consigo ter mais força a fazer as coisas. Estou a rodar com menos dor, o que significa que posso ter mais tempo de moto entre as corridas e, em geral, começo a recuperar o tempo que perdi nos quatro meses de lesão. O tempo que passamos na moto é muito importante neste desporto. Com tantos pilotos no topo, qualquer passo atrás pode custar-nos muito”.

Quanto à última prova do campeonato o piloto sabe que será difícil conseguir a vitória no campeonato mas mantém a mente aberta. “Estamos muito longe de vencer o campeonato, mas tudo pode acontecer. Eu fui a prova disso no ano passado, portanto vou para lá com a mente aberta. No início do ano eu não estava num bom lugar, mas agora estamos na luta. Em última análise, quero garantir o 2.º lugar no campeonato e terminar o ano no pódio – isso seria fantástico depois do que aconteceu em 2018”.

Foto: Future7Media