DAKAR, SAM SUNDERLAND “HÁ 6 PILOTOS com chance de vencer”

A defesa do título de Sam Sunderland teve um início de sonho no Dakar 2018, quando o inglês venceu as Etapas 1 e 3 e abriu uma vantagem de 4’38” na liderança da classificação. Mas o desastre veio depois da largada da Etapa 4: SUNDERLAND caiu nas dunas e sofreu uma lesão nas costas que marcou o fim do seu rali. Não foi a primeira vez que a experiência de Sunderland no Dakar terminou em frustração, após as desistências nas suas três primeiras participações (problemas mecânicos em 2012 e 2014, seguidos de um acidente em 2015). Mas Sam deixou tudo isso para trás com uma passagem sensacional no Dakar 2017, tornando-se o primeiro britânico a ganhar o rali mais famoso do mundo. Juntamente com os seus companheiros de equipe, oficial da Red Bull KTM, Toby Price e Matthias Walkner – ambos antigos vencedores – Sunderland estará novamente entre os favoritos para a vitória geral na categoria de motos.

Nascido em Southampton, Sunderland cresceu em Poole e descobriu o motocross aos sete anos, antes de se mudar para o Dubai na adolescência e optar pelo cross country. Tendo assinado para a Honda em 2011 e para a KTM em 2014, tornou-se um dos pilotos mais talentosos do mundo no deserto, e agora divide o seu tempo entre a França e os Emirados Árabes Unidos. Este ano, no Campeonato do Mundo da FIM, terminou em segundo lugar em Abu Dhabi antes de quebrar um pé no Chile, mas estava de volta pronto para outra incursão no Dakar.

“Sinto-me bem! Fiz um bom trabalho em Marrocos; a velocidade e a navegação foram muito boas. No Peru, acho que vai ser muito estratégico, com o tempo que se perde quando se abre nas dunas. Teremos que planejar esse aspecto o melhor que pudermos. É bom com Toby e Matthias, porque podemos ajudarmos-nos como uma equipe. Não sinto mais pressão por causa disso. Às vezes não faz mal tomar um destes pilotos como referência para saber onde estás. É bom que possamos conversar uns com os outros. Jordi Viladoms está lá para nos ajudar com sua experiência. O ano passado foi obviamente dececionante porque eu era a moto número um e estava a liderar com seis minutos. Não foi realmente um acidente. Não consegui encontrar um waypoint e omiti um corte nas dunas, o que me surpreendeu. Bati com o assento e sofri uma enorme compressão nas costas. Continuei por cerca de 10 ou 15 quilómetros, mas depois não conseguia sentir as minhas pernas, o que me causou um pouco de medo. Mas isso está tudo atrás de nós agora. Sinto-me muito bem, 100% de volta; fizemos muito trabalho e agora só queremos intensificá-lo até o Dakar. Eu diria que há seis ou sete pilotos que têm a chance de ganhar”, disse o piloto da KTM.

2018: Abandono Etapa 4 (KTM, duas vitórias em duas etapas)
2017: 1º (KTM, vitória em uma etapa)
2015: Abandono Etapa 4 (KTM, vitória em uma etapa)
2014: Abandono Etapa 4 (Honda, vitória em uma etapa)
2012: Abandono Etapa 3 (Honda)