4t ou 2t? As novas tendências

Olá amigos do Motoraid, fiquei um tempo sumido, e agora estou de volta para falar do que mais gosto sobre duas rodas, as motos dois tempos! Nessa primeira matéria, vamos falar das motos 2 tempos que estão voltando com toda a forca, inclusive no motocross, espero que gostem!

Por Giuliano Barbosa “o cara das 2 tempos!”

O retorno das 2 tempos as pistas de motocross ao redor do globo e incontestável, sendo muitos os indicadores desta nova tendência, com o assunto ganhando um espaço na mídia como não se via há anos; a quantidade de matérias e realmente enorme.

Um bom exemplo e a frequência com que as 2t vem estampando as capas de revistas influentes no mercado, como a Motocross Action Magazine por exemplo. Só dá elas!!

giumx1
Outra demonstração da atual tendência destas maquinas e o investimento em motocicletas totalmente novas pela KTM em toda linha 2T. As 125 e 150cc em 2016 e as 250cc em 2017.

Destacam-se também o retorno de lançamentos de novos produtos pelos fabricantes de acessórios 2T, como Pro Circuit, Boyesen e também a Bills, retornando ao mercado.

giumx2

A popularidade das competições com categorias dedicadas exclusivamente às 2T não pára de crescer, com premiações expressivas ofertadas ultimamente (como motocicletas 0km no Boyesen Two Stroke Revolution e também no MTA 2 Stroke Championship por exemplo).

Até um vídeo com renomadas feras do MX como Jeremy Mc Grath pilotando apenas motos 2 tempos foi lançado, e cada vez mais elas retomam seu espaço na realidade das pistas.

Neste novo cenário, destaca-se uma radical mudança de postura da mídia sim, a mesma mídia que no passado convenceu que todos deveriam andar de 4t, agora publica cada vez mais as reportagens enaltecendo as virtudes das 2t, e sem economizar nos elogios sobre a competitividade delas. Seja pela consciência do estrago causado pelas 4t de alto giro no esporte, ou como consequência da explosão da demanda do mercado pelas 2t, o discurso mudou radicalmente…

As 2 tempos são baratas de manter, divertidas de pilotar e seu som é música para os ouvidos cansados do barulho das 4t. Se competissem em igualdade de cilindrada, este seria um mundo 2 tempos novamente. Por que? Elas são mais leves, tem menos peças móveis , são mais baratas de manter e comprar, podem ser consertadas com ferramentas comuns e produzem mais potência por cilindrada” (MXA Magazine)

giumx3

Em outra matéria uma interessantíssima pergunta (impensável anos atrás) “como seria se Dungey pilotasse uma 2 tempos?

Num teste recente de uma CR125 1996 totalmente preparada pela MXA Magazine, escreveram “Uma moto de 20 anos que poderia vencer hoje”(!!) – reparem bem…poderia vencer HOJE!

Ou seja, conteúdos deste tipo mostram claramente uma nítida mudança de paradigma, quebrando o mito da invencibilidade das 4 tempos, o qual foi embutido na cultura do esporte com participação maciça da mídia para justificar o investimento pesado no desenvolvimento das 4t de alto giro. E mais, começa-se a contestar a vantagem de se possuir uma, ainda que considerando a vantagem (artificial) criada pelos regulamentos, dadas as qualidades e o prazer proporcionado a quem opta por pilotar uma 2 tempos.

Importante notar que, como tudo na vida, essa “virada” da mídia não vem ocorrendo por acaso, mas trata-se se uma simples questão de oferta e demanda, afinal todas as vezes que se produz algo sobre as 2t há de recordes de visualizações no site da MXA Magazine (informação do próprio site) – por exemplo a mais lida matéria do ano passado foi sobre o comparativo da Kawasaki KX500 AF que venceu o 2 Stroke National Championship e a KXF 450 do mesmo piloto (Sean Colier)

giumx4

Depois de anos de inércia, até a Yamaha resolveu se mexer, lançando a nova YZ250X no mercado de enduro. Criou também a YZ125 Cup 2016 que valerá ao campeão uma vaga como piloto da fabrica no campeonato europeu EMX125 em 2017. Não por acaso também, Chad Reed foi visto na abertura do Supercross australiano de YZ250 em pleno “press day” (dia da imprensa)

No que se refere aos regulamentos, em quase tudo que e lugar onde tem motocross eles já foram modificados para permissão para as 250 2t correrem na MX-2 nas competições amadoras –e em alguns países inclusive a nível profissional.

A realidade do Brasil, entretanto, é muito diferente…

Espero que tenham gostado, o titula da matéria de amanha, será: 2 tempos no Brasil x Resto do mundo!

Deixe sua mensagem no nosso mural abaixo da matéria, é muito importante para elaboração de novos conteúdos!

Forte abraço a todos e até amanha!

Giuliano #144

Deixe uma resposta