2 tempos X argumentos da cultura 4t

Em contraste com as novas tendências, no Brasil uma enorme quantidade de pilotos acredita cegamente que precisa de uma 4t para obter resultados.

Por Giuliano Barbosa #144 “O homem 2 tempos!”

Na minha modesta opinião isso se explica pela falta de informação e da característica elitista (que os altos custos do motocross no Brasil impõe), que por sua vez revela um cenário nacional tão diferente lá de fora, onde há uma proporção de pilotos que andam de 2T muito mais expressivo, e alguns andando na ponta inclusive.
Por aqui são comuns raciocínios do tipo – “ bem, se o cara anda legal de 2t e pegar uma 4t vai fazer miséria“ “ ou “não da pra competir de 2t, é muuuuuito difícil andar”. Essas bobagens acabaram se difundido tanto que quase atingiram o status de verdade (lembra algo da política nacional??) que induz à errônea conclusão “tenho que ter uma 4t” (ver matéria “as 2 tempos contra o sistema)
Tudo bem com quem pensa assim, mas as os fatos contradizem esse tipo de raciocínio: nesse esporte, o mérito do piloto desempenha um papel decisivo no resultado. É substancialmente diferente dos esportes a motor no asfalto. No MX quem manda é o piloto.
Mas chega de teoria, vamos a exemplos que ilustram claramente oque foi dito acima!
Para não dar margem a qualquer contestação, que tal um exemplo de um cara que nem corre profissionalmente e entrou no AMA Motocross de KTM250SX?
Sim, ele é bom sem dúvidas. Mas todos sabem o nível extremo da MX-1 do AMA Motocross. Robert Marshal, amador e pai de família é ex-piloto da equipe Two Stroke Motocross que correu em algumas etapas do AMA em 2012 (época em que numa das provas venceu o Bubba e Chad Red). Na etapa de Southwick deste ano ele simplesmente fez o 5º MELHOR TEMPO GERAL NAS CLASSIFICATÓRIAS!! Abaixo o resultado oficial.

2tg2

Outra conquista incrível aconteceu no Brasil no Arenacross nacional: na etapa de Campinas o piloto Ducas Dunka decidiu participar com sua YZ125 na MX-2 (devido à quebra da sua 4T)
Ao contrário do que o pensamento “padrão” brasileiro poderia adivinhar, ele andou forte e se classificou para a final,o que por si só já seria impressionante ( já vi uma enorme quantidade de pilotos extremamente rápidos que não conseguem se classificar) mas ele ainda fez uma corrida sensacional apitando forte a 125, e terminou a prova na 7º colocação, andando com os melhores pilotos do Brasil – e inclusive superando o próprio resultado obtido de 4T. Isso sim é conquista, está de parabéns o piloto, tanto pela habilidade quanto pela coragem!
PFR = Piloto Faz o Resultado ☺

2tg

Lucas Dunka e sua 125 2t: desbancando a maioria das 250F na etapa de Campinas do Arenacross
O português Paulo Alberto venceu as principais categorias do motocross de seu país andando de CR250, provando que mesmo uma moto com 10 anos de uso, estando bem preparada é perfeitamente competitiva hoje em dia, mesmo correndo contra as 450.
Voltando o foco para o motocross amador, conheço inúmeros exemplos de sucesso e seria impossível citar todos…
Tem meu amigo Luiz Moura que foi campeão paranaense de motocross na categoria MX45 com sua YZ144.
Meu amigo Artur Alcon trocou a 4t pela 2t (CRF150 pela TM 100) e está conseguindo ótimos resultados, inclusive vencendo uma etapa da Copa Neno na categoria intermediaria, deixando as 250F pra trás; quando conversei com ele logo que ia pegar a 2t, alertei ele sobre as diferenças na tocada, e ele me disse: “tenho certeza que vou me adaptar” – dito e feito! Parabéns pela atitude positiva.
Aliás é esse tipo de postura é que vem dando suporte ao atual retorno das 2 tempos às pistas.
Bem, não poderia deixar de citar que 2 anos atrás eu estava andando de 4t emprestada, e na verdade até melhorei meus resultados quando peguei a TM 2t.(fator “T” será?) – e observo que estou muito mais para “bração” do que pra “bonzão”. ☺
Notas de última hora:
1)meu amigo Márcio Hortense acaba de pegar uma KTM 250 2t e levou bonito a MX-1 e força-livre importada em sua primeira prova com o novo equipamento.
2)Paulo Alberto campeão nacional de motocross em Portugal de Honda CR 250 2 tempos.
Pessoal, é sempre aquela velha história….o sistema quer te fazer pensar que a única combinação possível é a fórmula de sucesso é “4t+piloto”, então acreditar nisso é opcional porque os fatos mostram claramente que dá sim para competir de 2T –A questão é enxergar as coisas com clareza e então encarar ou não o desafio.

Amanha tem… 230 ou 2 tempos? Qual devo comprar? Não percam!

Deixe uma resposta